Taxa de juros para empréstimo consignado a servidores é reduzida pelo governo


Medida visa estimular a concessão de empréstimos de uma das modalidades de crédito para pessoa física com taxas mais baixas.

Em um esforço para estimular a retomada da economia, o governo decidiu reduzir novamente o teto dos juros nos empréstimos consignados para servidores públicos federais. A medida estimula a concessão de mais empréstimos na modalidades de crédito consignado para pessoa física, informou o Ministério do Planejamento. A redução da taxa do consignado deve gerar uma economia de R$ 5 bi em juros por ano.

Uma Portaria do Ministério (MP), publicada na sexta-feira (29.10.217), reduziu o teto da taxa de juros nas operações de crédito consignado para servidores de 2,20% ao mês, para 2,05% ao mês. Em taxas anualizadas, a diminuição representa uma redução de 2,2 pontos percentuais, com a queda das taxas equivalentes de 29,8% a.a. para 27,6% a.a., contabilizou o órgão.

Este será o segundo corte neste ano. Desde 2008, o teto da taxa estava fixado em 2,50% a.m., que implicava em uma taxa de juros de 34,5% ao ano. Em março de 2017, uma Portaria havia definido o teto em 2,20% a.m. (29,8% ao ano). A nova redução para 2,05% ao mês (27,6% ao ano) representa, em termos anualizados, um queda total de 6,9 pontos percentuais.

Além disso, hoje, o Conselho Nacional de Previdência (CNP) aprovou também a redução do teto da taxa de juros nas operações para aposentados e pensionistas. O teto do empréstimo consignado, que era de 28,9%, caiu para 28,0% ao ano, representando uma redução de quase 1 ponto percentual. Ao mês, o percentual do consignado cai de 2,14% para 2,08%.

Em julho de 2017, o saldo total de empréstimos consignados atingiu R$ 302 bilhões, dos quais, aproximadamente, R$ 173 bilhões foram destinados a servidores públicos e R$ 111 bilhões para aposentados e pensionistas do INSS. Os dados dos valores restantes não foram divulgados.

Deixe uma resposta